Unidade e amplitude dos movimentos sociais na conferência do DF

24/11/2009

Fonte:  CUT-DF

Durante o final de semana, sociedade civil, representantes do empresariado e do governo discutiram na Conferência de Comunicação do DF (Confecom-DF) propostas que serão encaminhas à 1ª Conferência Nacional de Comunicação, convocada pelo presidente Lula para os dias 14, 15, 16 e 17 de dezembro.
“A demanda por uma conferência de comunicação é de muito tempo. No contexto atual de pouca regulamentação, encontros como esse são necessários para a discussão de mecanismos de democratização da informação”, ressaltou a secretária de Relações do Trabalho da CUT-DF, Sheila Tinoco, durante a abertura da Confecom-DF.

As propostas do evento foram feitas no sábado, quando os participantes se dividiram nos grupos “produção de conteúdo”, “meios de distribuição” e “cidadania: direitos e deveres”, os mesmos eixos que nortearam todo o encontro. Como a Conferência foi propositiva, todas as propostas serão encaminhadas à Confecom. Por isso, foram lidas em plenário apenas as propostas direcionadas ao GDF. Entre elas, está a determinação que o governo local cumpra a lei que determina a representação de negros e outras etnias na publicidade da região, a criação de um observatório sobre sexismo e homofobia, a criação de um conselho distrital de comunicação com maioria de representantes da sociedade civil e a suspensão da distribuição do jornal Correio Braziliense e da revista Veja nas escolas públicas do DF (prática feita em mais de 100 escolas locais, sem licitação).

No domingo, foram eleitos os 20 delegados (10 titulares e 10 suplentes) que representarão a sociedade civil no processo nacional. O governo também apresentou seus representantes (5), assim como os empresários, com o mesmo número de delegados da sociedade civil.

Disputa

O domingo foi um dia de emoções à flor da pele. Bem articulado, o empresariado organizou um grande grupo que compareceu somente neste dia apenas para disputar com a sociedade civil os encaminhamentos a serem feitos. Entretanto, o grupo composto pela sociedade civil foi maior e comemorou a vantagem dos votos que garantiu a apresentação de moções de repúdio e outras iniciativas.

Depois de seguir os movimentos do representante do empresariado que estava à mesa, Flávio Lara Resende, que guiava o levantamento ou não dos crachás para a deliberação de encaminhamentos, o grupo empresarial se retirou da Conferência.

Logo após, a sociedade civil se organizou para eleger seus delegados. Foram compostas duas chapas. A que obteve mais votos foi aquela que representou todos os segmentos dos movimentos sociais tendo em seus componentes representantes da FITTEL, CTB, UNE, Intervozes, Portal Vermelho, Sindicato dos Jornalistas, Movimento Negro, Movimento LGBTT, movimento indígena, movimento dos deficientes auditivos e UnB. Para ampliar a participação desses segmentos, a CUT cedeu a sua vaga para os representantes do movimento indígena.

Debates
“Nós temos que aproveitar este momento para tentar, de forma amadurecida e negociada, avançar no sentido da regulação deste segmento (comunicação). Nós estamos há pelo menos 60 anos atrasados em questão ao debate”, alertou o professor da Universidade de Brasília, Benício de Almeida.

Para o docente, pelo menos três questões devem ser resolvidas com a Confecom: um novo marco regulatório, a destinação de fundos públicos para a radiofusão comunitária e a regionalização da programação de TV. “Estou me atentando para o que está na Constituição Federal há 21 anos, mas que, até agora, não foi regulamentado e não está sendo cumprido”, afirmou.

Um tema também muito discutido foi a universalização da internet. De acordo com pesquisas recentes, no Brasil, apenas 5,8% dos acessos à rede são feitos por banda larga.

Para o conselheiro da Telesur e representante da TV Comunitária Cidade Livre, Beto Almeida, a América Latina já começou a recuperar os espaços públicos na comunicação. “Um exemplo disso é a nova lei de radiofusão da Argentina”, exemplificou. Beto Almeida ainda acredita que “a Confecom foi o máximo que conseguimos para tirar da penumbra este tema, que era um tabu e ainda não é tão aberto para discussão”.

Carolina Ribeiro, do coletivo Brasil de comunicação social – Intervozes, também acredita que o país toma, pouco a pouco, outros rumos quanto a comunicação. “Com todas as dificuldades, nós estamos apontando para uma mudança nas comunicações”, afirmou. Para ela, os principais empecilhos do meio de distribuição da comunicação é a prestação pelo regime privado e a falta de regulamentação, tendo como desafios a proibição dos oligopólios e monopólios, a participação da sociedade na gestão entre outras questões.

Na avaliação de Sheila Tinoco, as principais demandas para a comunicação do Brasil são as mudanças no processo de concessão; a alteração dos artigos 220,221 e 223 da Constituição Federal; o fortalecimento de um sistema público de comunicação; o fomento às rádios e TVs comunitárias e o fortalecimento de um sistema estatal de comunicação.

Brasília elege 23 delegados à Conferência Nacional de Comunicação

24/11/2009

Fonte: Sindicato dos Jornalistas

Realizada segundo as normas estabelecidas pela Comissão Organizadora Nacional, a Confecom-DF elegeu 23 delegados à Conferência Nacional de Comunicação (Confecom), que ocorrerá em Brasília nos dias 14, 16 e 17 de dezembro, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães.

Desses 23 delegados, 10 são do segmento empresarial de comunicação, 10 da sociedade civil não-empresarial e 3 do poder público. Os escolhidos estão encarregados de defender na Confecom as propostas apresentadas pelos cerca de 300 participantes da Confecom-DF.

A conferência contou com um número bastante representativo da sociedade brasiliense. Além dos empresários ligados à Telebrasil, entidade que congrega as empresas de telefonia fixa e celular, e à ABRA (Associação Brasileira dos Radiodifusores), compareceram militantes de entidades do movimento negro, dos homossexuais, dos sindicatos, dos estudantes e associações de moradores.

Na parte da manhã de sábado (21/11) foram realizados três painéis. No primeiro, tratou-se do tema Produção de Conteúdo; no segundo, Meios de Distribuição e no terceiro, Cidadania: direitos e deveres.

No primeiro painel falaram o professor Venicio A.de Lima, o jornalista Beto Almeida e o empresáro Flávio Lara Resende. Da segunda mesa participaram Carolina Ribeiro, do Coletivo Intervozes, o engenheiro Marco Aurélio Manhães, do Sintel-DF, e José Rogério Vargens, da Telebrasil. O professor de antropologia da UnB José Jorge de Carvalho, Leovane Gregório, do Conselho Regional de Psicologia, Jerônimo Calorio, estudante, e Juarez Quadros, da Telebrasil, falaram sobre direitos e deveres do cidadão.

A Confecom-DF aprovou propostas que defendem maior participação da população negra nos meios de comunicação; divisão paritária das concessões de rádio e televisão entre os setores privados, públicos e estatais; reativação do Conselho Nacional de Comunicação e criação de um Conselho Distrital de Comunicação; medidas oficiais para impedir a discriminação dos gays e lésbicas na mídia e dezenas de outras propostas importantes para a democratização dos meios de comunicação no Brasil.

Todas as propostas serão sistematizadas por uma Comissão de Sistematização e serão enviadas à Comissão Organizadora Nacional para compor o caderno de teses estaduais que irão a debate na Confecom.

O jornalista Beto Almeida, filiado ao Sindicato dos Jornalistas do DF e diretor da TV Comunitária de Brasília, é um dos 10 delegados do segmento social não-empresarial. A jornalista Juliana Cézar Nunes, da Cojira (Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial), vinculada ao Sindicato dos Jornalistas, também foi eleita delegada titular. Como uma das suplentes, foi eleita a vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas, Emilia Magalhães.

Eis a lista completa dos delegados titulares e suplentes eleitos:

Pelo Poder Público:

1 – Pedro Oto de Quadros -MPDFT
2 – Isis Dantas Cruz -CLDF
3 – Paulo Pestana da Silva Filho- GDF

Suplentes:

1 – Eduardo Felipe Gaher – CLDF
2 – Ana Helena Ferreira da Paixão – CLDF
3 – Júlio Romário da Silva – GDF

Titulares da Sociedade Civil:

1 – Carlos Alberto de Almeida – Sindicato dos Jornalistas e Associação Brasileira de Canai Comunitários (ABCCOM)
2 – Juliana Cézar Nunes  – Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial – Cojira
3 – Brígido Ramos – Federação dos Trabalhadores em Telecomunicações
4 – Manuella Torreão de Menezes – Comunidade Surda de Brasília
5 – João Batista de Oliveira Filho – da Rádio Utopia FM
6 – Nayara Alves da Silva – União Nacional dos Estudantes (UNE)
7 – Leovane Gregório – Conselho Regional de Psicologia
8 – Gustavo Alexandre Viana Martins – Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação-DF
9 – Carolina Teixeira Ribeiro – Coletivo Intervozes
10 – Mel Bleil Gallo – UnB

Suplentes:

1 – Maria Emília Magalhães
2 – Joana Darc Pereira de Melo
3 – Marcelo de Oliveira Arruda
4 – Jeronimo Calorio Pinto
5 – Alzira Coutinho Seixas Rosário
6 – Gustavo Alves de Souza
7 – Antônio Jacinto Indio
8 – Marlene da Silva Lucas
9 – Daniela Marques
10 – Joaquim Carlos Carvalho

Pelo segmento empresarial:

Da Associação Brasileira de Telecomunicações – Telebrasil

Titulares
1 – Juarez Martinho Quadros do Nascimento
2 – Ronaldo Rangel de Albuquerque Sá
3 – Raimundo Duarte
4 – José  Rogério da Costa Vargens Filho
5 – Caio Felipe do Nascimento

Suplentes

1 – Lenice Augusta dos Santos
2 – Marcelo Laboissière Camargos
3 – Victor Lopes Bicudo de Castro
4 – Carlos Sadarque Andrade Ramalho
5 – Zélia Gois Gadelha Dias

Da Associação Brasileira de Radiodifusores – ABRA

Titulares
1 – Alexandre de Carvalho Vila
2 – Estéfane Celis Araújo
3 – Lucenir Monteiro de Matos
4 – Salmo Ribeiro de Souza
5 – Willian Rogério Correa

Suplentes
1 – André  Luis de Almeida Giusti
2 – Cassio Santos Farias
3 – Christopher Pereira Carlos
4 – Francisco Carlos de Sousa Echavarria
5 – Rodrigo de Freitas Ribeiro Leitão

Conferência Distrital de Comunicação começa nesta sexta!

20/11/2009

Acompanhe pelo twitter: @proconfecomdf
Confira as propostas das conferências livres do DF

O Distrito Federal realizada de sexta (20) a domingo (22) a Conferência Distrital de Comunicação. Cerca de 450 pessoas já estão pré-inscritas e irão participar do debate como representantes da sociedade civil não empresarial, empresarial e Poder Público.

Reinvidicação dos movimentos sociais do DF, a conferência é uma etapa oficial da Conferência Nacional de Comunicação, cujo tema central é Comunicação: meios para a construção de direitos e de cidadania na era digital.

A abertura da Conferência Distrital está marcada para às 20h desta sexta, na Escola de Aperfeiçoamento dos Profissionais de Educação (Eape), na 907 sul. A presidente da Centra Única dos Trabalhadores do DF (CUT-DF), Rejane Pitanga, fará uma saudação em nome da sociedade civil.

A coordenadora do Movimento Negro Unificado (MNU), Jacira Silva, terá uma fala especial sobre comunicação e Dia da Consciência Negra. Representantes do Poder Público e do setor empresarial também participam da abertura.

Conferências livres

Nos últimos três meses, os movimentos sociais do DF realizaram oito conferência livres preparatórias para a Conferência Distrital de Comunicação, promovidas pelos sindicatos dos trabalhadores de comunicação, Central Única dos Trabalhadores (CUT), Intervozes, Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária (Abraço), movimentos e entidades negras, estudantes da Universidade de Brasília, Universidade Católica e Facitec.

Entre as propostas encaminhadas pelas conferências livres à etapa distrital estão revisão do modelo de outorgas e concessões de radiodifusão, regionalização do conteúdo, criação do conselho distrital e nacional de comunicação, fortalecimento das mídias públicas, regulamentação da profissão dos jornalistas, descriminalização das rádios comunitárias e financiamento da mídia alternativa, estudantil e negra.

No sábado (21), serão realizados painéis temáticos para o aprofundamento dos debates e grupos de trabalho poderão complementar e aprimorar propostas que serão encaminhadas para a Conferência Nacional de Comunicação.

No domingo (22), haverá plenária, votação de moções e escolha de delegad@s para a etapa nacional. Após o encerramento da programação oficial, a sociedade civil irá realizar uma plenária para construção de uma carta com reivindicações na área de políticas de comunicação voltadas para o Governo do Distrito Federal (GDF).

Mais informações

Sheila Tinoco (Fenajufe/Cut-DF): 9289-0150
Mayrá Lima (Intervozes): 9684-6534
Romário Schettino (Sindicato dos Jornalistas): 9942-3503

Programação Oficial (http://www.gdf.df.gov.br/045/04501040.asp)

Conferência Distrital de Comunicação

LOCAL: Escola de Aperfeiçoamento dos Profissionais de Educação (907 sul)

Sexta-feira (20/11)
Inscrição e credenciamento: 16h às 20h
Abertura e votação do regimento: a partir das 20h, com participação de representantes do Poder Público, Sociedade Civil empresarial e não empresarial.

Sábado (21/11)
Inscrição e credenciamento: 8h às 10h
Painéis temáticos: 8h às 12h
Grupos de trabalho: 14h às 18h

Domingo (22/11)
Plenária e votação de moções: 8h às 12h

Intervozes lança video sobre Direito à Comunicação

16/11/2009

Intervozes – Levante sua voz from Pedro Ekman on Vimeo.

Vídeo sobre direito à comunicação produzido pelo Intervozes Coletivo Brasil de Comunicação Social com o apoio da Fundação Friedrich Ebert Stiftung retrata a concentração dos meios de comunicação existente no Brasil.

Roteiro, direção e edição: Pedro Ekman
Produção executiva e produção de elenco: Daniele Ricieri
Direção de Fotografia e- câmera: Thomas Miguez
Direção de Arte: Anna Luiza Marques
Produção de Locação: Diogo Moyses
Produção de Arte: Bia Barbosa
Pesquisa de imagens: Miriam Duenhas
Pesquisa de vídeos: Natália Rodrigues
Animações: Pedro Ekman
Voz: José Rubens Chachá

CC – Alguns direitos reservados
Você pode copiar, distribuir, exibir e executar a obra livremente com finalidades não comerciais.
Você pode alterar, transformar ou criar outra obra com base nesta.
Você deve dar crédito ao autor original.

Aberta inscrições pra Confecom DF!

16/11/2009
blog
Depois de muita pressão, enfim o GDF inicia as inscrições para a etapa Distrital da Confecom. Além da demora, o Governo do DF ainda divulgou informações erradas e incompletas, não informado a data da etapa, nem o local. Além de se ter a impressão que a inscrição é para etapa nacional e não distrital.
A Comissão Pró-Conferência do DF repassa a toda sociedade as informações corretas da Confecom DF!
Para fazer sua inscrição entre em: http://www.gdf.df.gov.br/045/04501040.asp

Conferência Distrital de Comunicação – Brasília/DF

Data: 21 e 22 de novembro de 2009
Horário: Das 08h00 às 20h00
Local: Escola de Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação (SGAS Q. 907, Conjunto A, CEP 70390-070)  – Veja o mapa aqui

Programação
21/11 – Sábado
8h00 – Abertura do credenciamento
8h30 – Solenidade de abertura com um representante por segmento da Comissão Organizadora-DF
8h45 – Plenária de abertura (votação do Regimento Interno do DF)
Coordenação da mesa: um representante por segmento da Comissão Organizadora-DF
10h30 – Palestra Eixo 1: Produção de conteúdo
Convidados:
Palestrante indicado pelo poder público (15 min)
Palestrante indicado pelo setor empresarial (15 min)
Palestrante indicado pela sociedade civil (15 min)
Debate em plenário (45 min)
Coordenação da mesa: Representante do GDF
12h00 – Almoço (Encerramento do credenciamento)
13h00
Palestra Eixo 2: Meios de distribuição
Convidados:
Palestrante indicado pelo poder público (15 min)
Palestrante indicado pelo setor empresarial (15 min)
Palestrante indicado pela sociedade civil (15 min)
Debate em plenário (45 min)
Coordenação da mesa: Representante do setor empresarial
14h30
Palestra Eixo 3: Cidania: direitos e deveres
Convidados:
Palestrante indicado pelo poder público (15 min)
Palestrante indicado pelo setor empresarial (15 min)
Palestrante indicado pela sociedade civil (15 min)
Debate em plenário (45 min)
Coordenação da mesa: Representante da sociedade civil
16h00 – GTs (ver tópico Metodologia)
18h30 – Fim dos trabalhos do dia
22/11 – Domingo
8h30 – Continuação dos GTs
10h30 – Reunião por segmento para definição de delegados e suplentes à etapa nacional
12h30 – Almoço
13h30 – Plenária de final
Leitura das propostas dos GTs
Votação das moções
Eleição de delegados à  etapa nacional
Coordenação da mesa: um representante por segmento da Comissão Organizadora-DF
16h00 – Encerramento

GDF enrola sociedade e CPC-DF convoca reunião!

13/11/2009

Após muita pressão da sociedade civil, o Governo do Distrito Federal convocou as primeiras reuniões da Comissão Organizadora da etapa do DF da Confecom. Mas, estranhamente, o GDF abandonou as reuniões há uma semana do prazo final de realização das etapas estaduais da Confecom.

Sociedade civil e Empresários acordaram uma proposta de Regimento Interno, mas falta o GDF publicar seu conteúdo (clique aqui para ver a proposta).

A Comissão Pró-Conferência DF repudia o descompromisso do GDF com a Confecom DF  e irá se reunir em caráter de urgência na próxima segunda, 16/11, na sede do Coletivo Intervozes, SCS Qd. 06 Ed. José Severo, Bl. A, Sala 509.

Reunião Extraordinária da CPC-DF

31/10/2009
Terça, 03 de novembro, na Fenajufe às 19h
Reunião EXTRAORDINÁRIA para discuitir REGIMENTO da Confecom DF.
Auditório FENAJUFE – SCS Quadra 01 Bloco “C” Edifício Antônio Venâncio da Silva 14º Andar. Telefone: 33237061
Terça, 03 de novembro, na Fenajufe às 19h
Reunião EXTRAORDINÁRIA para discuitir REGIMENTO da Confecom DF.

Terça, 03 de novembro, na Fenajufe às 19h
Reunião EXTRAORDINÁRIA para discuitir REGIMENTO da Confecom DF.

CPC-DF repudia negligência do GDF com a Confecom

30/10/2009

CPC-DF

Brasília, 30 de outubro de 2009

A Comissão Pró-Conferência de Comunicação do Distrito Federal (CPC-DF) vem a público repudiar a demora do Governo do Distrito Federal (GDF) em convocar a primeira reunião da Comissão Organizadora da Conferência de Comunicação do DF (Confecom-DF). A conferência no Distrito Federal foi convocada por ato oficial do GDF para o próximo dia 6, 7 e 8 de novembro. No entanto, a realização nesta ou em nova data está ameaçada. O GDF foi procurado sucessivas vezes pela CPC-DF, tendo apresentado justificativas insuficientes para a paralisação do processo.

Os movimentos sociais, populares, sindicais, negr@s, estudantis e LGBTT estão mobilizados, realizando conferências livres e reuniões preparatórias. Não iremos aceitar que o DF seja a única unidade da federação a não realizar a etapa local, justamente na cidade que será a sede da Conferência Nacional de Comunicação, em dezembro. Prestes a completar 50 anos, em campanha para as festividades, Brasília precisa rever suas políticas públicas para uma comunicação democrática, participativa e plural.

Em vários momentos da construção da Confecon-DF, o GDF demonstrou falta de vontade política para o debate, tendo reduzido a lista de representantes da sociedade civil na COE-DF sem consulta aos movimentos sociais. Ao retardar a realização da Confecon-DF, o GDF mostra estar refém de setores do empresariado, que temem a perda de recursos publicitários públicos e as mudanças na regulamentação de concessões de rádio e TV.

Entidades empresariais, como a Abert, que saíram do processo de construção da Conferência Nacional de Comunicação, tem pressionado os governos pela não realização de conferência em vários locais, inclusive no DF, em clara demonstração de cerceamento da liberdade de expressão e formulação participativa de políticas públicas.
Para garantir a Confecon-DF, a CNPC-DF irá:

– Aguardar até terça que o GDF convoque e realize a primeira reunião da Comissão Organizadora da Conferência de Comunicação do DF;

– Caso isso não aconteça, a CPC-DF reivindica que a Comissão Organização da Conferência Nacional de Comunicação assuma na quarta-feira, dia 4, a realização da Confecon-DF, garantindo recurso e infra-estrutura, com a primeira reunião da comissão organizadora ocorrendo já na quinta-feira.

A Comissão Pró-Conferência de Comunicação do Distrito Federal (CPC-DF) reafirma seu compromisso público com a realização da Confecon-DF, de forma livre, ampla e participativa, de maneira a permitir o diálogo e a aprovação de propostas da sociedade civil para as políticas públicas de comunicação locais e nacionais.

Atenciosamente,

Comissão Pró-Conferência de Comunicação do Distrito Federal

Abraço-DF, Campanha “Quem financia a baixaria é contra a cidadania”, Central de Movimentos Populares (CMP-DF), CUT-DF, Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojira-DF), Conselho Regional de Psicologia (CRP-DF), Consulta Popular, DCE-UnB, Executiva Nacional dos Estudantes de Comunicação Social (Enecos), Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social, Movimento Democracia Direta, Movimento Negro Unificado (MNU), Projeto de Comunicação Comunitária da UnB, Rádio Laboratório de Comunicação Comunitária (Ralacoco), Setorial de Cultura do PT-DF, Sindicato dos Arquitetos do DF, Sindicato dos Bancários do DF, Sindicato dos Jornalistas Profissionais do DF (SJPDF), Sindicato dos Radialistas do DF, Sindicato dos Trabalhadores da Fundação Universidade de Brasília (SINTFUB), SINDPD-DF, Sindjus-DF, Unicom, Federação Brasília e Entorno de Umbanda e Candomblé, Sapataria, Cacom-UnB, Rede de Educação Cidadã-DF, Laboratório de Políticas em Comunicação da UnB (Lapcom), FNDC-DF, UNE.

 

CPC-DF

Brasília, 30 de outubro de 2009

A Comissão Pró-Conferência de Comunicação do Distrito Federal (CPC-DF) vem a público repudiar a demora do Governo do Distrito Federal (GDF) em convocar a primeira reunião da Comissão Organizadora da Conferência de Comunicação do DF (Confecom-DF). A conferência no Distrito Federal foi convocada por ato oficial do GDF para o próximo dia 6, 7 e 8 de novembro. No entanto, a realização nesta ou em nova data está ameaçada. O GDF foi procurado sucessivas vezes pela CPC-DF, tendo apresentado justificativas insuficientes para a paralisação do processo.

Os movimentos sociais, populares, sindicais, negr@s, estudantis e LGBTT estão mobilizados, realizando conferências livres e reuniões preparatórias. Não iremos aceitar que o DF seja a única unidade da federação a não realizar a etapa local, justamente na cidade que será a sede da Conferência Nacional de Comunicação, em dezembro. Prestes a completar 50 anos, em campanha para as festividades, Brasília precisa rever suas políticas públicas para uma comunicação democrática, participativa e plural.

Em vários momentos da construção da Confecon-DF, o GDF demonstrou falta de vontade política para o debate, tendo reduzido a lista de representantes da sociedade civil na COE-DF sem consulta aos movimentos sociais. Ao retardar a realização da Confecon-DF, o GDF mostra estar refém de setores do empresariado, que temem a perda de recursos publicitários públicos e as mudanças na regulamentação de concessões de rádio e TV.

Entidades empresariais, como a Abert, que saíram do processo de construção da Conferência Nacional de Comunicação, tem pressionado os governos pela não realização de conferência em vários locais, inclusive no DF, em clara demonstração de cerceamento da liberdade de expressão e formulação participativa de políticas públicas.

Para garantir a Confecon-DF, a CNPC-DF irá:

  • Aguardar até terça que o GDF convoque e realize a primeira reunião da Comissão Organizadora da Conferência de Comunicação do DF;

  • Caso isso não aconteça, a CPC-DF reivindica que a Comissão Organização da Conferência Nacional de Comunicação assuma na quarta-feira, dia 4, a realização da Confecon-DF, garantindo recurso e infra-estrutura, com a primeira reunião da comissão organizadora ocorrendo já na quinta-feira.

A Comissão Pró-Conferência de Comunicação do Distrito Federal (CPC-DF) reafirma seu compromisso público com a realização da Confecon-DF, de forma livre, ampla e participativa, de maneira a permitir o diálogo e a aprovação de propostas da sociedade civil para as políticas públicas de comunicação locais e nacionais.

Atenciosamente,

Comissão Pró-Conferência de Comunicação do Distrito Federal

Abraço-DF, Campanha “Quem financia a baixaria é contra a cidadania”, Central de Movimentos Populares (CMP-DF), CUT-DF, Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojira-DF), Conselho Regional de Psicologia (CRP-DF), Consulta Popular, DCE-UnB, Executiva Nacional dos Estudantes de Comunicação Social (Enecos), Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social, Movimento Democracia Direta, Movimento Negro Unificado (MNU), Projeto de Comunicação Comunitária da UnB, Rádio Laboratório de Comunicação Comunitária (Ralacoco), Setorial de Cultura do PT-DF, Sindicato dos Arquitetos do DF, Sindicato dos Bancários do DF, Sindicato dos Jornalistas Profissionais do DF (SJPDF), Sindicato dos Radialistas do DF, Sindicato dos Trabalhadores da Fundação Universidade de Brasília (SINTFUB), SINDPD-DF, Sindjus-DF, Unicom, Federação Brasília e Entorno de Umbanda e Candomblé, Sapataria, Cacom-UnB, Rede de Educação Cidadã-DF, Laboratório de Políticas em Comunicação da UnB (Lapcom), FNDC-DF, UNE.

Conferência Livre de Comunicação e Juventude, 23 e 24/10, na Universidade Católica de Brasília

21/10/2009

cartaz_final

Reunião da Comissão DF nessa quinta, dia 22/10.

21/10/2009

Por uma Conferência Nacional de Comunicação Cidadã e dos Trabalhadores no DF

Convidamos a todas as entidades envolvidas na luta pela realização das Conferências Nacional e Distrital de Comunicação para reunião ordinária dia 22 de outubro, às 19 h, no Auditório FENAJUFE – SCS Quadra 01 Bloco “C” Edifício Antônio Venâncio da Silva 14º Andar. Telefone: 33237061

Pauta Proposta:

1- Informes: Geral e local
2- Reunião da Comissão Organizadora do DF;
3- Material de Mobilização;
4- Mobilização na rodoviária.
Comissão Pró-Conferência do Distrito Federal

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.